Archive for the People Category

Paulo Francis

Posted in People on 03-02-2009 by raig74

Paulo FrancisAssim começa uma matéria publica pela revista Veja em 12-2-1997 sobre Paulo Francis – o mais amado e   odiado jornalista brasileiro…

“Dizia verdades definitivas sobre física quântica, mas não sabia arrumar a própria mala. Cometia erros incríveis em artigos em que xingava de burro. Exibia-se como um pavão para as câmaras de TV, mas era de  uma timidez atroz. Grosso, agressivo e destemperado por escrito, era uma flor no contato pessoal. Tinha dezenas de amigos, mas dava a impressão de ser um solitário. O aparente ranzinza tinha um senso de humor   de moleque. Em quase quarenta anos de presença constante na imprensa, milhões de leitores não conseguiam escapar da sua argúcia, da sua cultura, de seus juízos peremptórios e surpreendentes. Era admirado, odiado, imitado. Paulo Francis parecia que não ia morrer nunca. E, no entanto, na manha de terça-feira passada, lá estava ele, estendido na sala de seu apartamento em Nova York, metido num pijama verde que achava horrível, derrubado por um ataque cardíaco. aos 66 anos.
O Brasil fica mais chato sem Paulo Francis. As quintas-feiras e aos domingos, não haverá mais no Estado de S.Paulo, em O Globo e outros jornais pelo Brasil afora aquelas páginas de estilo inconfundível. A primeira   nota, sempre política, descascava o governo, ou a Petrobrás, ou a telefonia nacional, ou os políticos, ou o Brasil. Depois vinham comentários sobre literatura, história, ópera, balé. De passagem, um pontapé em  alguém famoso. Tudo muito pessoal: todas as frases poderiam começar com “eu acho que”. A noite, Francis não aparecerá mais nos telejornais da Rede Globo, olhando a câmara de cima para baixo com um sorriso irônico, prolongando as últimas sílabas das palavras. Também perde sua alma o programa Manhattan Connection, da Globosat, em que Francis fazia o papel de besta-fera do neo-liberalismo politicamente incorreto, nocauteando o jornalista Caio Blinder, para divertimento de Lucas Mendes e Nelson Motta. Francis morreu no auge. Era o jornalista mais conhecido do Brasil, um dos mais respeitados, seus livros sempre entravam na lista dos mais vendidos, gostava imensamente do que fazia…”

Foi um verdadeiro jornalista e não, como hoje se vê, um mero pesquisador… Tinha opinião! Aí me identifico… contra-argumentar, questionar, colocar em dúvida, defender uma posição!

E:

“Dizem que ofendo as pessoas. É um erro. Trato as pessoas como adultas. Critico-as. Crítica não é raiva. E crítica, às vezes, é estúpida”

“Gosto que me leiam e saibam o que acho das coisas. É uma forma de existir. Trabalho é a melhor maneira de escapar da realidade”

“Acho que a tendência do intelectual é ser de direita. Ele é por definição um elitista”

“Acho que aguentei viver tanto tempo no Brasil porque estava em estado etílico a maior parte do tempo. É muito se 3% da população tem proteinas e meios para atuar na vida pública. O Brasil sempre foi a casa da mãe-joana de elites sub-reptícias que fazem o que querem”

Franz Paulo Trannin da Matta Heilborn. Polemista. Thks.

Anúncios